A mulher, uma base econômica nas comunidades

segunda-feira 3 de Junho de 2013

Todas as versões deste artigo : [Español] [Português]

Autora: Silvia Ribeiro

Editora: La Hora Nacional

Canal: IBON Foundation

Tipo de documento: Notícia

Língua: Espanhol

Assunto: Mulher

As palavras-chave: Comércio Justo, Direitos econômicos sociais e culturais, Economia alternativa, Integração Social, Mulheres.

País e região: Equador

Descrição curta: O Comitê Central de Mulheres UNORCAC trabalha desde 2010 em um sistema de caixas comunitárias com 30 grupos de mulheres que foram crescendo aos poucos e se consolidando, até chegarem a ser uma ferramenta fundamental para auxiliar as necessidades das donas-de-casa das comunidades.

O Comitê Central de Mulheres UNORCAC trabalha desde 2010 em um sistema de caixas comunitárias com 30 grupos de mulheres que foram crescendo aos poucos e se consolidando, até chegarem a ser uma ferramenta fundamental para auxiliar as necessidades das donas-de-casa das comunidades.

Este sistema apóia as chefas de família na temporada das matrículas, nos assuntos de saúde e alimentação, isto porque os créditos são rápidos e sempre com juros mínimos.

Rumiñahui Anrango, presidente da UNORCAC, comenta que o propósito foi alcançado através das freqüentes avaliações internas e as capacitações: “nós vemos o sistema como uma escola de créditos, nas quais as pessoas com necessidades imediatas podem resolver os seus problemas”, disse Anrango.

20 caixas comunitárias são a fortaleza deste setor. O projeto que começou com cinco organizações de mulheres, se consolida como suporte fundamental para o fortalecimento das mulheres dentro das comunidades.

Apesar do baixo nível educativo das mulheres dos grupos, sabem fazer as contas direitinho. Magdalena Fueres, membro do Comitê, explica a importância das caixas pequenas, isto porque estão lá mesmo, nas próprias comunidades, o crédito é imediato sem muitos requisitos na hora de qualquer necessidade e o manejo de poupança do dinheiro.

O propósito fundamental deste projeto é evitar que as pessoas procurem bancos grandes onde os juros são elevados e precisam de muitos documentos.

Gloria Flores, moradora de Guitarra Uco, conta que as caixas pequenas não são apenas uma ajuda nos momentos difíceis das chefas de família, mas também um mecanismo para estarem mais unidas e organizadas.

Ver em linha : A mulher, uma base econômica nas comunidades

Tejiendo Redes.
C/ Hermanos García Noblejas, 41, 8º. 28037 - MADRID.
Tlf: 91 4084112 Fax: 91 408 70 47. Email: comunicacion@fidc.gloobal.net

SPIP |