América Latina: 46 milhões de indígenas e 120 milhões de afro-descendentes

sexta-feira 9 de Agosto de 2013

Todas as versões deste artigo : [Español] [Português]

Autor: Agência EFE.

Editora e Canal: Terra.

Tipo de documento: Notícias.

Língua: Espanhol.

Assunto: Povos Indígenas.

As palavras-chave: Afro-descendentes, desenvolvimento e povos indígenas.

Países e Regiões: América Latina.

A secretária executiva da CEPAL, a mexicana Alicia Bárcena, disse hoje, 9 de agosto, a EFE, que na América Latina e no Caribe vivem uns 46 milhões de indígenas e 120 milhões de afro-descendentes. E revelou que o Equador e a Bolívia são os dois países que mais avançaram nas políticas favoráveis aos indígenas.

A população afro-descendente está perto de triplicar em número os povos originários americanos. "Nesse assunto, há um pouco de silêncio estatístico", assinalou a responsável da Comissão Econômica para América Latina e o Caribe (CEPAL).

Bárcena concedeu uma entrevista à EFE, hoje, Dia Internacional dos Povos Indígenas, por ocasião da Primeira Reunião da Conferência Regional sobre População e Desenvolvimento, que acontecerá a partir de segunda-feira, 12, no Uruguai.

Há perto de 670 povos originários reconhecidos pelos Estados da América Latina, explicou Bárcena. E destacou que a Bolívia e o Equador são os países que mais avançaram no reconhecimento dos direitos dos povos indígenas em nível estatal; houve, também, progressos no México.

No primeiro caso, ao converter-se em Estado Plurinacional da Bolívia, presidido, também, por um indígena, Evo Morales; e no segundo caso, sob a bandeira da chamada "revolução cidadã" que dirige o presidente Rafael Correa.

Já no México, podemos afirmar que também houve progressos. Nesse país, "estão sendo reconhecidos os seus direitos e há programas específicos de apoio" a esses grupos, afirmou a responsável do organismo regional das Nações Unidas.

"Há muitos aspectos a serem abordados noutros lugares”, disse Bárcena. No seu entendimento, "avançou-se muito no terreno dos direitos e da legislação, mas menos quanto ao respeito aos seus modos de pensar, de fazer e de produzir".

"Há muita relação entre os povos indígenas, suas terras e seus conceitos de desenvolvimento, acho que há alguns países que não conseguiram inserir profundamente os povos indígenas dentro do seu conceito nacional", refletiu a alta funcionária das Nações Unidas.

Bárcena mencionou o Chile, onde, no seu entendimento, a Ilha de Páscoa, no meio do Oceano Pacífico e famosa por suas moais, as gigantescas figuras de pedra da cultura polinésia, "é provável que esteja mais integrada ao país que a região mapuche".

Os mapuches, a principal etnia indígena do país, se concentram nas regiões da Araucania e no Biobío, a uns 600 quilômetros a sul de Santiago, a capital, e desde os anos 90 estão em conflito com empresas agrícolas e florestais pela propriedade de terras que consideram ancestrais.

Ver em linha : América Latina: 46 milhões de indígenas e 120 milhões de afro-descendentes

Tejiendo Redes.
C/ Hermanos García Noblejas, 41, 8º. 28037 - MADRID.
Tlf: 91 4084112 Fax: 91 408 70 47. Email: comunicacion@fidc.gloobal.net

SPIP |