Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral da OEA debate agenda de desenvolvimento pós-2015

quinta-feira 10 de Outubro de 2013

Todas as versões deste artigo : [Español] [Português]

Autor: Organização dos Estados Americanos (OEA).

Editora e Canal: OEA.

Tipo de documento: Notícias.

Linguagem: Espanhol.

Assunto: Desenvolvimento.

As palavras-chave: Agenda pós-2015, mudança climática, desenvolvimento sustentável, energia renovável, Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) e pobreza extrema.

Países e Regiões: América Latina e o Caribe.

O Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) da Organização dos Estados Americanos (OEA) escutou em oito de outubro uma exposição sobre a Agenda de Desenvolvimento Pós-2015, feita pela Assessora Especial do Secretário Geral das Nações Unidas para a matéria, Amina Mohammed, que exortou a ser muito ambiciosos na hora de fixar os objetivos.

Para além dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), que visam a cortar pela metade a pobreza extrema, conter a propagação do HIV/AIDS e conseguir o estabelecimento do ensino primário universal antes da data-limite de 2015, Mohammed disse que “teremos de construir sobre o que avançamos e, ao mesmo tempo, enfrentar as desigualdades persistentes e os novos desafios das pessoas e do planeta”. “Os Estados Americanos são um importante grupo, dentro do qual teremos de alcançar esse equilíbrio”, afirmou.

A Assessora Especial destacou o novo relatório do Secretário Geral das Nações Unidas “Uma Vida Digna para Todos”, que resume a visão do líder da ONU para atingir os ODM e faz uma transição e recomendações para a agenda pós-2015. “Passar da agenda de pobreza para o desenvolvimento sustentável não ocorrerá de um dia para o outro, precisa-se de uma transição”, comentou Mohammed. Como elementos-chave para a nova agenda assinalou a universalidade; o desenvolvimento sustentável; a transformação econômica inclusiva; incluir a agenda de governabilidade; formar uma nova associação global para o desenvolvimento; e a necessidade de a comunidade internacional adotar as instituições e as estruturas necessárias para enfrentar os novos desafios.

“A voz dos Estados Americanos terá de ser ouvida neste processo”, explicou Mohammed, “e até agora a região desempenhou um papel-chave” nos debates em torno do assunto. Finalizando, a Assessora do Secretário Geral Ban Ki-moon, enfatizou que, embora alguns tivessem sugerido até 150 desafios para a agenda pós-2015, será importante que não inclua “mais do que se possa contar com as duas mãos”. O espírito – sentenciou – é de enfrentar os desafios com realismo e aspirar à “maior ambição possível, e não ao mínimo denominador comum”.

Em nome do Secretário Geral da OEA, José Miguel Insulza, o seu chefe de Gabinete, embaixador Hugo de Zela, afirmou que “este assunto é de particular interesse para a nossa Organização, e não só nós como Organização, mas também os nossos países-membros individualmente têm acompanhado de perto e participado dos debates ocorridos em nível global e regional para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, bem como para definir os desafios que a comunidade global abordará a partir de 2015”.

“O que queremos é contribuir para a institucionalidade interamericana fortalecida e comprometida com o desenvolvimento de todos os povos”, disse o embaixador de Zela. Ele se referiu às ações da OEA para diminuir a pobreza extrema, atenuar os efeitos dos desastres naturais e da mudança climática, promover o uso de energia renovável, e aumentar as oportunidades educativas, entre outros esforços.

“Acreditamos que é importante para 2015 propor uma visão mais compreensiva do desenvolvimento, que envolve, entre outros, a governabilidade democrática, a transparência e o respeito aos direitos humanos. Os países-membros da Organização contribuíram com excelentes idéias para estes assuntos, bem como a nossa Organização em conjunto”, afirmou o Chefe de Gabinete do Secretário Geral.

Estamos convencidos – garantiu de Zela - de que esta visita servirá para aprofundar a aliança já existente com as Nações Unidas. Tomara que também permita escutar algumas idéias que possam enriquecer os debates globais na matéria, para que as propostas que levem das Américas possam ser úteis para este diálogo em nível mundial.

A Secretaria Executiva para o Desenvolvimento Integral da OEA, Sherry Tross, ponderou que a visita de Mohammed ocorreu no momento exato, isto porque a organização está em processo de definir sua visão estratégica para o futuro. Com o passar do tempo, comentou, a OEA conseguiu criar certo grau de enfoque no desenvolvimento que, às vezes, a gente esquece. “Esta Organização é provavelmente a única, em nível internacional, que tem sob o mesmo teto, trabalhando juntos, os âmbitos do desenvolvimento sustentável, o desenvolvimento econômico, o desenvolvimento humano e o desenvolvimento social”, disse a Secretaria Executiva, “o que permite o tipo de programação integrada de que estava falando a Doutora Mohammed”.

“A voz da OEA desempenha, e continuará desempenhando, um papel crítico nas questões de desenvolvimento”, afirmou Trosse, que citou o “compromisso profundo” da Organização com a agenda pós-2015. E recordou a recente participação do Secretário Geral Insulza no diálogo de alto nível sobre o tema no quadro da Assembléia Geral das Nações Unidas.

Por sua vez, o presidente do CIDI e Representante Permanente de Belize na OEA, Embaixador Néstor Méndez, convocou os países-membros a aproveitarem a oportunidade de elevar o perfil das Américas "para assegurar que a visão depois de 2015 seja relevante para os desafios que estamos enfrentando na região”. Falou, também, que a OEA “é fundamental na construção de uma visão deste tipo com a função específica e única de fortalecer a capacidade dos governos locais e nacionais e o sistema interamericano, para que possamos alcançar os objetivos derivados deste debate”.

Ver em linha : Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral da OEA debate agenda de desenvolvimento pós-2015

Tejiendo Redes.
C/ Hermanos García Noblejas, 41, 8º. 28037 - MADRID.
Tlf: 91 4084112 Fax: 91 408 70 47. Email: comunicacion@fidc.gloobal.net

SPIP |