Enigma dos prisioneiros

sexta-feira 31 de Maio de 2013

Todas as versões deste artigo : [English] [Español] [Português]

Autor: Héctor Béjar.

Editora e Canal: Rede do Terceiro Mundo.

Tipo de documento: Notícia.

Língua: Espanhol.

Assunto: Política.

As palavras-chave: Ações políticas, Comércio exterior, Política, Política econômica.

Países e Regiões: Peru.

O presidente de um pequeno país como o Peru tem tanta importância para o presidente da nação mais poderosa da Terra a ponto que gaste dois dias do seu tempo com ele? É a terceira vez que se reúnem. Houve, também, outros contatos. Veio Hillary Clinton e fez amizade com Nadine Heredia. Chegou Bill Clinton, de repente, interessado no Cusco. John Kelly, chefe do Comando Sul, um dos comandos utilizados pelos EUA para ocupar o mundo, esteve no Palácio em janeiro e disse que as relações entre o Irã e a Venezuela é um dos perigos de hoje. Soldados norte-americanos fizeram “operações humanitárias” em Talara. Planeja-se um aeroporto militar norte-americano no VRAEM. Enrique Peña Neto, presidente do México, apareceu para promover a “Aliança do Pacífico”. Como é que o Peru sendo o primeiro produtor mundial de cocaína não é condenado, nem assinalado pelos Estados Unidos como um perigo mundial? Pelo contrário, é visto como o “país estrela”, ou o “milagre peruano”. Que diriam, ou fariam eles se a Bolívia de Evo Morales ou a Venezuela de Nicolás Maduro mandassem todos os anos três mil quilos de cocaína ao mundo como faz o nosso país? A agenda oficial de junho é cândida: inclusão social, desenvolvimento da ciência e da tecnologia, educação e bolsas, proteção do meio ambiente, situação dos migrantes. A jovem potência do Norte já quis se apoderar no século XIX das ilhas do Guano dizendo que estavam em águas internacionais.

Manuel Prado foi o primeiro que declarou a guerra à Alemanha e ao Japão (que susto deve ter levado Hitler) em 1941. Foi ordenado o saque das propriedades dos alemães e os japoneses foram mandados a campos de concentração nos Estados Unidos. A marinha norte-americana formou o serviço de inteligência da marinha peruana abrindo relações que depois serviriam à CIA. Haya de la Torre foi precursor do macarthismo, um macarthista antes de MacCarthy. O segundo governo de Prado, aliado dos apristas, lançou a iniciativa da expulsão de Cuba da OEA. Os Estados Unidos financiaram Alberto Fujimori com sete bilhões de dólares colocados pelo BID e o Banco Mundial. Exceto com Velasco, Palácio nunca deixou de ser vice-reino. Washington nunca deixou a doutrina Monroe. E agora, em um tabuleiro que se complica, Washington precisa dividir a UNASUL e a CELAC. Com Juan Manuel Santos fazendo o seu próprio roteiro e um Sebastián Piñera que vai embora, o único mais ou menos seguro está em Lima e no México DC. Se bem que se sabe que não se pode confiar plenamente no PRI. O da Casa Branca é prisioneiro do complexo militar petroleiro. É cativo dos bancos responsáveis pelo roubo imobiliário de 2008 sem ser castigados e das empresas que transformaram a reforma da saúde no fabuloso negócio dos seguros privados. Tem de tolerar a morte de centenas de civis inocentes, muitos deles crianças, por veículos aéreos não tripulados. Não consegue nem sequer fechar a prisão de Guantánamo. O outro, o da Casa de Pizarro, continua sendo ameaçado todos os dias pelos meios. Nem sequer irá à posse de Rafael Correa. Ambos assinaram seu mapa de caminho depois de prometer a Grande Transformação. Agenda provável: não mais CELAC, nem UNASUL, não aos tanques russos, luz verde para operações norte-americanas encobertas; e ponto de apoio contra Maduro, Correa e Kirchner. “Primavera Árabe” organizada pela CIA na Venezuela. É o que poderia colocar o pessoal de Washington. E que dirá o de Lima? Não deixa der ser divertida a barafunda, até porque o prisioneiro da Casa Branca não pode desembaraçar facilmente a teia de aranha das relações com uma Europa cambaleante, uma economia que não decola, uma China que continua avançando calada, e muitos conflitos ao redor do mundo no qual o Pentágono encontra seus limites. Também não será fácil atar o Peru totalmente a uma carreta cujas rodas chiam.

Ver em linha : Enigma dos prisioneiros

Tejiendo Redes.
C/ Hermanos García Noblejas, 41, 8º. 28037 - MADRID.
Tlf: 91 4084112 Fax: 91 408 70 47. Email: comunicacion@fidc.gloobal.net

SPIP |