Gilberto Carvalho: "É necessário dar participação à juventude"

quinta-feira 17 de Outubro de 2013

Todas as versões deste artigo : [Español] [Português]

Autor: Organização Ibero-Americana da Juventude (OIJ).

Editora e Canal: OIJ.

Tipo de documento: Notícia.

Língua: Espanhol.

Assunto: Política.

As palavras-chave: Capitalismo, crise civilizatória, democracia e juventude.

Países e Regiões: América Latina e o Caribe.

Sem dúvida, a presença de Gilberto Carvalho no Fórum Internacional de Juventude foi um dos pontos mais destacados. Não pela importância do seu cargo (é o Secretário Geral da Presidência do Brasil), e sim por sua simplicidade e disposição de conversar com todos os participantes. Por isso, o plenário escutou as palavras que abriram o encontro de dois dias.

"A minha presença aqui não merece nenhum agradecimento, é uma obrigação pela importância que o nosso governo dá aos temas da juventude”, assinalou Carvalho, 62 anos, oriundo de Londrina, Paraná.

Durante sua fala, de um pouco mais de meia hora de duração, Carvalho questionou duramente o modelo sócio-econômico que rege o mundo ocidental: "Não vivemos uma crise do capitalismo ou de um modelo econômico, e sim uma crise civilizatória. Temos de ser conscientes deste fato." Foram quase iguais às palavras do presidente do Uruguai, Pepe Mujica, no encerramento do Fórum Agenda de Desenvolvimento e Investimento Social na Juventude, que a OIJ realizou em Montevidéu, no último mês, em parceria com o INJU e o UNFPA.

"Eu sou de uma geração que sonhava com a destruição do capitalismo; falávamos da crise final do capitalismo. Não houve, se bem que conseguimos muitas vitórias contra a ditadura e conseguimos vitórias para a democratização da América Latina".

Para Carvalho, "há uma equação errada, que é ter ou consumir = a ser feliz". "Este modelo nos leva a um processo de profundo estresse, de profunda impossibilidade de convivência fraterna e intergeracional”, afirmou.

"Com Lula chegamos ao governo com a intenção de fazer um contra movimento para acabar com a exclusão. Tivemos muitas vitórias, incluímos perto de 40 milhões de brasileiros, conseguimos que milhares de jovens, principalmente afro-descendentes entrassem nas faculdades. Porém o fato de termos sido capazes de modificar o modelo fez com o estresse do modelo aumentasse. As manifestações dos últimos meses são a expressão desse estresse, dessa contradição profunda".

E criticou o Partido dos Trabalhadores assinalando seus vícios, que “são os mesmos de antigos partidos: "verticalidade, autoritarismo, distanciamento das bases, corrupção".

Carvalho também deixou outras frases durante sua fala: "É necessário saber como escutar e dar participação a toda esta juventude, e como fazer para que não haja motivos de protesto. Até porque eram manifestações por mais direitos, por mais democracia."

"O slogan de que outro mundo é possível não pode ser apenas uma frase do Fórum Social Mundial. Tem de ser uma utopia para nós (os representantes de governos), deve ser um processo de questionamento, de indagação permanente, isto porque este modelo não vai nos levar a nenhum lugar bom. Contudo, não tenho nenhuma ilusão com a possibilidade desta mudança. O sistema atual tem uma capacidade inacreditável de cooptação e de mudar a cabeça."

"O que mais me entristece é ver jovens do nosso partido com as mesmas práticas dos velhos. Os jovens são rapidamente cooptados, porque, insisto, a máquina tem uma capacidade incrível de mudar as nossas cabeças."

"A saída (a este modelo) é a criação de um modelo novo que não será feito em um laboratório. Este modelo novo já vive de alguma maneira dentro de nós, já criamos formas de participação e de práticas econômicas que começam a antecipar este novo modelo."

"O nosso caminho não pode ser de vanguardas: ou a nossa estratégia será de maiorias, ou não será vitoriosa. Temos de fazer um trabalho dificílimo: conquistar o pensamento e os corações das maiorias."

Ver em linha : Gilberto Carvalho: "É necessário dar participação à juventude"

Tejiendo Redes.
C/ Hermanos García Noblejas, 41, 8º. 28037 - MADRID.
Tlf: 91 4084112 Fax: 91 408 70 47. Email: comunicacion@fidc.gloobal.net

SPIP |