Declaração de AMM♀RE pelo Dia Internacional da Mulher

terça-feira 12 de Março de 2013

Todas as versões deste artigo : [English] [Español] [français] [Português]

Data: 08 de março de 2013.

Tipo: Declaração.

Fonte: Rede de Migrantes pelo Casamento AMMORE.

As palavras-chave: mulheres migrantes pelo casamento, Dia Internacional da Mulher, One Billion Rising, violência contra a mulher.

As mulheres migrantes pelo casamento, filiadas a AMM♀RE (Rede de Ação para os Direitos das Migrantes pelo Casamento e seu Empoderamento) se somam neste ano aos setores femininos na comemoração do Dia Internacional da Mulher.

As leis mais rigorosas nos países de acolhida são aplicadas às migrantes pelo casamento. Estas políticas se baseiam, principalmente, nos regulamentos que dificultam muito a obtenção da residência permanente, ou a adoção da nacionalidade do cônjuge.

À diferença dos trabalhadores migrantes temporários cujos direitos estão definidos por leis trabalhistas e sua condição de estrangeiro, a maioria das leis só se aplica às migrantes pelo casamento nos casos já reconhecidos como cidadãos ou que possuam um status equivalente. Diante desta situação, as migrantes pelo casamento se encontram em posição vulnerável para abusos, isolamento social, discriminação por raça, classe e gênero, falta de acesso aos serviços sociais e aos empregos, à intimidação e à exploração.

Pelas comemorações do Dia da Vitória deste ano, perto de 144 países realizaram uma campanha global de mulheres contra a violência, a pobreza, a discriminação e a opressão, denominada “One Billion Rising” (Um Bilhão em Pé). Para as migrantes pelo casamento, principalmente, todas estas ações governamentais significavam a continuação de políticas estatais discriminatórias e violência doméstica cujo resultado é a ruptura de famílias e a separação dos seus filhos.

No Japão e noutros países do mundo, se reprime o direito da mulher filipina a casar de novo depois do divórcio atendendo ao Artigo 26 do Código Básico da Família das Filipinas; já na Coréia do Sul, as mulheres migrantes pelo casamento são obrigadas a mandar seus filhos aos seus países de origem para garantir a custódia depois do divórcio; em Hong Kong, as esposas da China continental continuam batalhando pelos seus direitos de residência e de acesso aos serviços sociais devido às políticas governamentais discriminatórias; na Austrália, as migrantes pelo casamento sofrem principalmente por causa da falta de oportunidades econômicas; acontece a mesma coisa em Taiwan, onde as mulheres migrantes pelo casamento são obrigadas a suportar a carga de buscar o sustento de suas famílias quando os maridos perdem seus empregos.

No meio de todas estas crises, AMM♀RE ofereceu às mulheres migrantes pelo casamento a capacidade de defender seus direitos e de empoderar-se alcançando assim sua proteção e bem-estar através da organização, a educação, a defesa e a campanha “Tire o Véu” como meio para combater as políticas repressivas tanto nos países emissores quanto nos de acolhida.

Organizações que compõem o núcleo de AMM♀RE – TransAsia Sisters Association em Taiwan, TERESA Women Organization e HANFIL na Coréia do Sul, Filipino Migrants Center no Japão, New Arrivals Women League e a Immigrant Women’s Speakout Association na Austrália – em parceria com defensores das migrantes pelo casamento se comprometem a fortalecer sua rede para enfrentar os problemas das migrantes pelo casamento. E o que é muito importante: as migrantes pelo casamento se somam às mulheres e aos povos do mundo na sua luta contra o lançamento da agenda neoliberal da globalização.

Viva o Dia Internacional da Mulher!

Ver em linha : http://www.apmigrants.org/home/item...

Tejiendo Redes.
C/ Hermanos García Noblejas, 41, 8º. 28037 - MADRID.
Tlf: 91 4084112 Fax: 91 408 70 47. Email: comunicacion@fidc.gloobal.net

SPIP |